Selic sobe para 10,75%, maior patamar desde abril de 2017

 


A taxa básica, a Selic, subiu de 9,25% para 10,75% ao ano nesta quarta-feira (2). A decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) foi unânime e era esperada pelo mercado.

Os juros chegaram ao maior nível desde abril de 2017, quando esteve em 11,25% ao ano.

O colegiado aumentou a Selic pela 8ª vez consecutiva. Foi a 3ª alta consecutiva de 1,5 ponto percentual. O Copom começou a subir os juros em março de 2021, de 2% para 2,75%. Relembre:

março de 2021 – de 2% para 2,75% (+0,75 p.p.);
maio de 2021 – de 2,75% para 3,5% (+0,75 p.p.);
junho de 2021 – de 3,5% para 4,25% (+0,75 p.p.);
agosto de 2021 – de 4,25% para 5,25% (+1 p.p.);
setembro de 2021 – de 5,25% para 6,25% (+1 p.p.);
outubro de 2021 – de 6,25% para 7,75% (+1,5 p.p.);
dezembro de 2021 – de 7,75% para 9,25% (+1,5 p.p.);
fevereiro de 2022 – de 9,25% para 10,75% (+1,5 p.p.).
ENTENDA O COPOM

O comitê é formado pelos diretores do BC (Banco Central). Reúnem-se a cada 45 dias para definir os juros. A Selic é o principal instrumento para controlar a inflação.

O mercado financeiro esperava a alta de 1,5 ponto percentual na Selic nesta quarta-feira (2). As estimativas das principais instituições já indicavam Selic de 10,75% ao ano. O colegiado havia sinalizado elevar o percentual para este patamar.

A Selic subiu 7,25 pontos percentuais em 2021, a maior alta da série histórica.

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) terminou 2021 em 10,06%, patamar que é 6,31 pontos percentuais acima da meta de inflação. O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, precisou divulgar uma carta pública com as justificativas para o descumprimento do objetivo inflacionário.


Postar um comentário

0 Comentários