Procurador pede que TCU bloqueie bens de Moro



O subprocurador-geral Lucas Rocha Furtado, que atua no Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (
TCU), pediu nesta sexta-feira, 4, que seja decretado o bloqueio de bens do ex-juiz  e ex-ministro Sergio Moro (Podemos).

O pedido foi feito no âmbito do processo que investiga eventual conflito de interesses na contratação dele pela empresa de consultoria Alvarez & Marsal. Hoje, Moro se coloca como pré-candidato à Presidência da República.

Após Moro revelar os valores que recebeu da empresa-norte americana, Furtado havia solicitado que a investigação fosse arquivada, mas recuou e afirmou que, após análise de fatos novos, acredita que a apuração deve continuar.

“Revendo os fatos e diante dos nossos elementos analisados, entendo que a possibilidade de arquivamento processual se torna insubsistente”, escreveu o subprocurador.

O objetivo principal é averiguar se houve irregularidade na contratação de Sergio Moro para que ele pagasse menos tributos no Brasil.

Ele solicita a indisponibilidade de bens até a apuração completa dos fatos. O pedido foi encaminhado para o ministro Bruno Dantas, relator do caso.

Segundo o procurador, há inconsistência nos documentos que comprovam a contratação de Moro pela Alvarez & Marsal “já que os recibos isolados (além de inconclusivos no caso dos emitidos nos EUA) provam os valores nele registrados, mas não a inexistência de outros”.

Em live em 28 de janeiro, Moro afirmou ter recebido cerca de R$ 3,7 milhões da empresa em que trabalhou de novembro de 2020 a outubro de 2021.

Em nota, Moro disse que recebeu a notícia com “perplexidade” e afirmou que o pedido evidencia “abuso de poder” do representando do Ministério Público de Contas.

terrabrasilnoticias

Postar um comentário

0 Comentários